25/09/2016

Barra de Faro

Quem vê esta barra da lazeira de uma tarde de verão não imagina o que custa
lá entrar com vazante, num dia de nortada

08/08/2016

Praia do Vau

Chama-se a Rocha do Arquinho e a Paria do Arquinho, fica na Praia do Vau. Este nome deve-se ao facto de esta rocha ter estado ligada à falésia. Depois da Praia do Arquinho, fica a Praia do Barranco das Canas. Ao fundo, a Ponta João D'Aréns.

21/07/2016

Festival Med #4


Um concerto que eu antecipava com emoção - especialmente depois de ter conhecido os artistas durante a tarde - foi a Capicua. Ela escreveu algumas das melhores e mais pertinentes canções dos últimos anos, e o jogo de palavras com sotaque do norte é uma delícia de se escutar, como convém a uma artista hip-hop do Porto. Capicua traz consigo uma equipa do camandro, que inclui a eléctrica cantora Marta Bateira, mais conhecida no Youtube pela sua personagem Beatriz Gosta. A surpresa do espectáculo for que cada canção foi digitalmente ilustrada ao vivo, no fundo do palco pelo talentoso Vítor Ferreira!


Na manhã seguinte, as ruas da cidade estavam um deserto. Todos recuperavam depois de três dias intensos de concertos no Festival Med. Todos, excepto uma mão cheia de desenhadores que não descansavam.

20/07/2016

Festival Med #3


O dia virava noite, os caracóis ficavam frios e os copos de cerveja vazios. Sabiamos que era altura de voltar ao trabalho. O céu escureceu sobre a fachada do mercado de Loulé. Subitamente, as luzes focaram-se nos cinco músicos sentados sobre o beirado do edifício. A multidão olhava para cima enquanto este concerto surpresa da banda local Toca Tintas entretinha os visitantes do Festival Med na entrada principal para a cidade antiga. A banda tocava melodias populares animadas para todo o largo ouvir, tornando a longa fila de entrada um sítio agradável de se estar.



Tinariwen (ⵜⵏⵔⵓⵏ) foi um dos concertos mais aguardados do Festival. O encontro inovador entre a musica Tuaregue e o blues ocidental, misturando a batida ecoante tradicional do tambor tindé com um montão de guitarras - eléctricas e não só - e temperada com umas linhas de baixo à campeão, já vem de anos atrás, desde a formação da banda em 1979. As várias guerras que ocorreram nos países onde os músicos se estabeleciam não acabaram com a coesão da banda. Ao invés disso, alimentaram as letras - na língua Tamasheq - que falam de rebeldia dentro do puzzle político e étnico que é a região do Deserto do Sahara e da luta pela sobrevivência através de fronteiras e conflitos. O alinhamento da banda é tão inconstante como a vida no deserto. A longevidade dos Tinariwen, bem como a sua celebridade, continua a provar que o Mali é um poço sem fim de músicos de grande nível.

19/07/2016

Festival Med #2



Debaixo de um sol escaldante, as bandas agendadas para tocar durante a noite no Festival Med faziam os seus ensaios de som. Foi por acaso que passámos pelo sítio onde a Capicua e a sua malta afinavam todo o equipamento no palco Castelo. Interessei-me pela sua música há algum tempo e estava com vontade de assistir ao concerto. Não contava apanhá-los em flagrante ensaio, quanto mais ser convidado para a zona do palco para conviver com a equipa.


Alguns abraços e beijos, fotografias e autógrafos mais tarde, despedimo-nos e subimos até ao largo onde estava instalado o palco Matriz, mesmo ao lado da igreja matriz. Um turbulento grupo de Bósnios conhecidos como Dubioza Kolektiv faziam também o seu curto ensaio de som, antes de regressarem ao abrigo dos bastidores. A irgreja assistia serena ao dub Balcânico trazido por esta malta à pacata cidade Algarvia. Ainda houve tempo para partilhar uma cerveja, umas gargalhadas e autógraphos de todo o Kolektiv.


18/07/2016

Festival Med #1


A Câmara Municipal de Loulé, através dos Urban Sketchers Algarve, convidou desenhadores Portugueses a visitar e desenhar a cidade durante um dos maiores e mais peculiares eventos no sul do país - o Festival Med. O que começou há treze anos atrás como um festival de música mediterrânica, veio a tornar-se um reconhecido festival de música do mundo. O especial do Med é que é realizado em diversos palcos no interior da cidade antiga. Um sistema complexo de guardas e grades mantém aqueles sem bilhete fora da cidade - inadvertidamente recreando o sistema de tributo mercantil das cidades medievais.



Claro que um dos pontos de entrada no recinto, ou na cidade, teria de ser o icónico - e quase centenário - Mercado de Loulé. Lá dentro, peixeiras, fruteiros, videntes e talhantes chamavam a atenção aos turistas que entravam, abrigando-se do sol. As ruas laterais estavam cobertas por grandes lonas coloridas, para mitigar o calor extremo. No entretanto, desenhadores ocupados desenhavam o seu caminho até à hora do almoço.


20/05/2016